06 janeiro 2009

cHaNNeL De OndE VeiO..

Um verdadeiro mito. Responsável por grande parte das principais mudanças no vestuário feminino ocorridas no século XX.
Considerada uma das forças do movimento feminista do começo do século passado, Mademoiselle Coco Chanel criou uma moda atemporal e elegante, ostentada até os dias de hoje, fazendo de sua marca sinônimo de elegância e conforto.

A história Para contar um pouco da história da marca CHANEL é imprescindível conhecer um pouco da vida de sua criadora.

A estilista francesa, que se tornou símbolo de uma revolução nos costumes e na postura da mulher no cenário social, adquiriu a elegância e simplicidade como formas de sobrevivência. Mitômana, nunca quis admitir sua origem pobre. Foi apenas após a sua morte, em 1971, que os reais fatos de sua infância ficaram conhecidos do público.

Nascida no interior da França, na cidade de Saumur em 19 de agosto de 1883, Gabrielle Bonheur Chanel ficou órfã de mãe aos seis anos de idade.

Seu pai, Albert Chanel, a mandou para um pensionato da cidade francesa de Auvergne, onde permaneceu até sua adolescência.

Porém, a vida simples da cidade interiorana não condizia com a ânsia de Coco Chanel.
Trabalhou como balconista e até em um cabaré, onde cantava a música ''Qui qu´a vu Coco dans le trocadero?'' (de onde originou seu nome Coco).

Mas o intuito de vencer na vida era mais forte e, para isso, decidiu sair à caça de amantes, de preferência homens ricos, que pudessem lhe ajudar.

Esse foi o primeiro grande confronto de Coco Chanel com a sociedade machista do início do século XX.
O envolvimento com o milionário oficial de cavalaria Etienne Balsan levou-a a Paris, aos 16 anos, e a inseriu na alta sociedade da capital francesa.

Com a ajuda do cobiçado playboy inglês Arthur Capel (que muitos dizem ter sido o grande amor da estilista e morreu jovem em um acidente automobilístico em 1924), montou sua primeira loja, a Casa Chanel (Chanel Modes) em 1910.

No começo, vendia chapéus para mulheres. O estilo simples, sem grandes adornos de flores, encantou as parisienses que freqüentavam o jóquei clube da cidade.
Quem era aquela mulher que ousava nos trajes simplistas, com misturas entre vestimentas femininas e masculinas?
A partir desse momento, Chanel decidiu dedicar-se à costura.

Seus cortes simples encantaram e, em 1913 (antes da 1ª Guerra Mundial) abre, simultaneamente, duas boutiques de moda, em Deauville (um dos elegantes centros da França na época) e em Paris.
Em 1916, abre uma loja de Alta Costura em Biarritz e, em 1920, fixa-se definitivamente no n.º 31 da Rue Cambon, onde a Maison Chanel existe até hoje.
Chanel costumava dizer que no mundo da moda havia um excesso de homens que não sabiam como proporcionar o conforto às mulheres.

Foi por isso que o estilo criado por ela revolucionou o século XX: ao libertar a mulher das faixas e corpetes apertados em saias com muitos babados, permitiu que a mulher se sentisse livre e poderosa vestida de maneira simples e prática.
"Não há mulheres feias, há mulheres mal cuidadas". Com essa filosofia, queria atingir o maior número de mulheres que pudesse, com roupas de cortes retos e elegantes.
Chanel não se importava em ser copiada por outros estilistas; o que mais a alegrava era ver mulheres vestindo suas inovações.

Jersey cardigan, sapatos sem salto, vestidos de corte a direito e sem mangas, jaquetas, saias plissadas, tailleurs, bolsas com alça de corrente dourada: a renovação do guarda-roupa feminino, para servir ao bel-prazer da mulher de bom gosto e poucos recursos, estava disponível na criatividade de Chanel.

Era o chic minimalista que seria adotado por aquelas que estavam cansadas dos costumes da Belle Epoque e do vestuário excessivamente ornamentado.
O vestido preto ("Little Black Dress") seria outra de suas grandes invenções que se tornaria célebre.

Saindo das festas de gala e dos momentos de luto, se transformaria no curinga e, de antemão, marcaria o perfil da mulher moderna, preparada para ser uma profissional e estar feminina e elegante em qualquer situação.
Publicado pela primeira vez em 1926, o modelo foi chamado pela Vogue como o ''Ford dos vestidos'' (uma alusão aos carros da marca americana que eram vendidos em massa).

No auge de sua fama, durante a década de 30, empregou 4.000 funcionários e chegou a vender 28.000 peças num único ano.

O segredo do sucesso de Chanel era simples: apenas desenhava roupas que gostava de vestir. Não colocava seus esboços no papel, criava-os em cima do tecido, no corpo da modelo.
Isso porque era a roupa que deveria se adequar ao corpo, e não ao contrário, como gostava de dizer.

Neste período, Coco Chanel conheceu muitos artistas importantes, tais como: Pablo Picasso, Luchino Visconti e Greta Garbo.

Seus modelos vestiram estrelas como a princesa Grace Kelly, atrizes como Marlene Dietrich e Ingrid Bergman, a primeira-dama americana Jacqueline Kennedy, entre outros grandes nomes. -Durante a Segunda Guerra Mundial Chanel chegou a trabalhar como enfermeira, uma vez que os negócios de moda estavam em baixa.
Nesta época envolveu-se com um oficial nazista, o que lhe custou o exílio na Suíça.

Em 1954 voltou a Paris e retomou seus negócios na alta costura. Sua carreira teve um renascimento nesta época.

O cardigã, o vestido preto, as pérolas tornaram-se marca registrada do estilo CHANEL.

Quando apresentou a coleção de 1958, as francesas ficaram maravilhadas.

A revista Elle escreveu em destaque: "Dez milhões de mulheres votam CHANEL".

Suas inovações, de fato, retocaram toda a silhueta feminina.

O novo comprimento de suas saias mostrou os tornozelos das mulheres, cujos pés passaram a contar com sapatos confortáveis de bicos arredondados.

Pérolas em especial, e bijuterias em geral, ganharam lugar de destaque entre os acessórios, cachecóis enrolaram-se com classe nos pescoços das mulheres e seu corte de cabelo tornou-se simétrico, reto, mostrando a nuca - o eterno corte CHANEL. (PERFUMES)
No ano de sua morte, em 1971, aos 87 anos, Hotel Ritz de Paris, Coco Chanel ainda trabalhava ativamente, desenhando uma nova coleção.

Assim como toda a história da sua vida, o momento da morte também foi marcado por glamour e boatos.

Sozinha, no quarto do Hotel Ritz onde viveu por cerca de 33 anos, a estilista teria dito a uma camareira que estava em seu quarto: ''Vê? É assim que se morre. Sozinha, mas sempre chique''.
O seu funeral foi assistido por centenas de pessoas que levaram as suas roupas em sinal de homenagem.
O ano de 1983 foi marcado pela chegada de Karl Largerfeld à empresa como diretor artístico da marca tanto para a linha de alta-costura quanto para a de prêt-à-porter.
(É AMARELO É FEIO AQUILO NÃO VAI COM NADA, MAS AQUILO PODE SALVAR-VOS a VIDA) kARL

O estilo clássico criado por mademoiselle Chanel, revitalizado por Largerfeld , atravessou o século 20 e se tornou atemporal

AGORA QUE VOCÊ CONHECE UM POUCO DA HISTÓRIA DA "MARCA"QUE ORIGINOU O CORTE CHANNEL... QUE TAL ARRISCAR?
pS. Só um lembrete: a Sra. Channel tinha uma reunião no salão do hotel quando o seu secado estourou, queimando seus cabelos. Com pressa ela teve que corta-los rente á nuca.
As madames se espantaram com aquele corte e a invejaram...
Sua famosa bolsa com correntes se deu por motivo de comodidade.
Ela não queria segurar sua bolsa nas mãos (aquelas tipo carteirona) e colocou uma corrente... pronto! Todo mundo copiou!
Aí estão sugestões de channel ...







pS2. cortando dijzá!

2 comentários:

ObrIGadA pEla ViSItA.
EsPeRO qUe TEnhA GoSTAdo.
vOlTE MaIS.
:)