14 novembro 2009

GaGA GuEirA!!!




A disfemia, conhecida popularmente como gagueira ou gaguez

Ela se manifesta por repetições ou alongamento de fonemas, palavras ou interjeições, com tensão muscular e respiratória e movimentos do rosto e do corpo que auxiliem na expressão.
“É natural que as pessoas gaguejem às vezes, todos fazemos isso”, afirma Sílvia Friedman.
“O problema é quando isso se torna muito freqüente”.
Cinco causas:
-hereditariedade; problemas orgânicos (problemas na gravidez ou no parto);
-estresse causado pelo ambiente (mudança de escola, divórcio dos pais, morte na família);
-personalidade das crianças (as gagas tendem a ser perfeccionistas, ansiosas, tímidas e se frustram muito rápido);
-causas familiares (pais que falam muito ou muito rápido, família autoritária ou exigente).
A disfemia que persiste após os cinco anos de idade está associada a alterações anatômicas e funcionais do cérebro, conforme vêm demonstrando as pesquisas mais modernas de neuroimagem.
A avaliação e o tratamento precoces são decisivos para que a criança consiga compensar cedo essas eventuais deficiências, antes do aparecimento de complicações secundárias.
Por essa razão, recomenda-se que toda criança com sintomas recorrentes de gagueira passe por avaliação fonoaudiológica tão cedo quanto possível.
O fonoaudiólogo é o clínico especialista no tratamento de pessoas com gagueira.



COMO AJUDAR
Dicas de como facilitar a melhora de pessoas que gaguejam, na escola e em casa.

Dar o exemplo: falar devagar e pausadamente;
Evitar que a criança se exponha nos dias ou momentos em que ela esteja gaguejando mais; Professores podem fazer duplas para leitura;
Se uma criança gaga lê com um colega, ela acompanha o ritmo e não gagueja;
Não obrigar a criança ou o adolescente a apresentar trabalhos ou fazer provas orais perante a sala se ele se sentir mal com isso;
Reservar um horário para que ele possa apresentar somente para o professor;
Contar histórias para a criança, permitindo que ela desenvolva vocabulário e o modelo de fala: a repetição é importante para fixação de palavras, expressões e pensamentos;
Em caso de gozação dos outros alunos, o professor deve repreendê-los e explicar que todas as pessoas têm suas limitações;
Evite interromper ou pressionar a criança ou o adolescente enquanto ele estiver tentando falar;
Deixe-o completar a frase, mesmo que leve algum tempo;
Terminar a frase que ele começou também não é recomendável, a pessoa pode se sentir incapaz de falar;
Não diga para ele falar mais devagar, respirar ou pensar sobre o que vai dizer, isso gera ansiedade;
Seja um bom ouvinte, preste atenção no que ele está falando;
Nos casos mais graves, o professor deve procurar saber se a criança está recebendo tratamento. Caso contrário, pode conversar com os pais e sugerir ajuda de um profissional especializado.

pS. Mu mU Mu I to O O O bRIgAgA dAda!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ObrIGadA pEla ViSItA.
EsPeRO qUe TEnhA GoSTAdo.
vOlTE MaIS.
:)