06 fevereiro 2011

JuDAs !!

Jesus chama os seus discípulos e apóstolos para uma reunião de emergência,


devido ao alto consumo de drogas na Terra.



Depois de muito pensar, chegam à conclusão de que a melhor maneira

de combater a situação e resolvê-la definitivamente era provar a

droga eles mesmos e depois tomar as medidas adequadas.




Decide-se que uma comissão de discípulos desça ao mundo e

recolha diferentes drogas.



Efetua-se a operação secreta e dois dias depois começam a

regressar os comissários.



Jesus espera à porta do céu, quando chega o primeiro

servo:



-Quem é?

-Sou Paulo.

Jesus abre a porta.

-E o que trazes, Paulo?

-Trago haxixe de Marrocos.

-Muito bem, filho. Entra.



-Quem é?

-Sou Pedro.

Jesus abre a porta.

-E o que trazes, Pedro?

-Trago maconha do Brasil.

-Muito bem, filho. Entra.



-Quem é?

-Sou Tiago.

-E o que trazes, Tiago?

-Trago Lança perfume da Argentina.

-Entra.



-Quem é?

-Sou Marcos.

-E o que trazes, Marcos?

-Trago marijuana da Colômbia.

-Muito bem, filho. Entra.



-Quem é?

-Sou Mateus.

- E o que trazes, Mateus?

-Trago cocaína da Bolívia.

-Muito bem, filho. Entra.



-Quem é?

- Sou João.

Jesus abre a porta e pergunta de novo:

-E tu, o que trazes, João?

-Trago crack de Nova Iorque.

- Muito bem, filho. Entra.



- Quem é?

- Sou Lucas.

-E o que trazes, Lucas?

-Trago speeds de Amsterdam.

-Muito bem, filho. Entra.



-Quem é?

-Sou Judas.

Jesus abre a porta.

-E tu, o que trazes, Judas?



- POLICIA FEDERAL!!!



TODO MUNDO NA PAREDE,

MÃO NA CABEÇA!!!

ENCOSTA AÍ CABELUDO!!!

A CASA CAIU!!!





Ps> BrinCadeiRa a ParTE, O Meu SenhOR Jesus SejA lOuvAdo!!

miNeiRO.

O caboquim cordô cêdo,ispriguíçô, lavô as mão na gamela, limpô uzói, sinxugô,

tomô café, pegô a inxada, sivirô pra muié I falô:

- Muiééé, tô inoprotrabaio.

Quano q'êle saiu da casa, ao invêiz dií prá roça, ele subiu num pé di manga I ficô iscundidim.

...De repente pareceu um negão, e foi inté upé di manga I nem si percebeu q'o caboquim tava lá inrriba.

Pegô u'a manga... chupô, pegoôta, I mais ôta...,

I a muié du caboquim chegô na janela e gritô:

- Póvim, ele já foi!

I o negão largô as manga, I sinfurnô dendacasa du caboquim.

O caboquim, danado de ráiva, desceu da árvre, pegô um facão e intrô na casa.

Quandele abriu a porta, ele viu o negão chupano as teta da muié, intonsi levantô u facão e falô:

- Vai morrêêêêê negão!!!

E num é cunegão puxô um 38 da cintura, I pontô pro caboquim falano:

- Pruquê qui eu vômorrê?

E o cabuquim:

- Uai cê chupô trêis manga e agora tá mamando leite.

Assim vai morrê, pruquê manga cum leite faiz mar,uai!?!?! Ce nun sabia?? kkkkk
 

05 fevereiro 2011

o TaxistA e A frEiRA

A freira e o taxista




Uma freira faz sinal para um táxi parar. Ela entra e o taxista não pára de olhar para ela:



- Por que você me olha assim?



Ele explica:



- Tenho uma coisa para lhe pedir, mas não quero que fique ofendida...



Ela responde:



- Meu filho, sou freira há muito tempo e já vi e ouvi de tudo. Com certeza não há nada que você possa me dizer ou pedir que eu ache ofensivo.



- Sabe, é que eu sempre tive na cabeça uma fantasia de ser beijado na boca por uma freira...



A freira:



- Bem, vamos ver o que é que eu posso fazer por você: primeiro, você tem que ser solteiro, corinthiano e também católico.



O taxista fica entusiasmado:



- Sim, sou solteiro, corinthiano desde criancinha e até sou católico também!



A freira olha pela janela do táxi e diz:



- Então, pare o carro ali na próxima travessa.



O carro para na travessa e a freira satisfaz a velha fantasia do taxista com um belo beijo na boca.



Mas, quando continuam para o destino, o taxista começa a chorar:



- Meu filho - diz a freira - Porque é que está chorando?



- Perdoe-me Irmã, mas confesso que menti: sou casado, palmeirense e não sou católico.



A freira conforta-o:



- Deixa pra lá. Estou a caminho de uma festa a fantasia , me chamo Alfredo e torço pro São Paulo!

Vou EMbORA (piAdA)

Discutindo a relação








Ela entrou no quarto já se queixando. Seu namorado, no entanto, estava apenas deitado na cama lendo um livro. Seria o momento perfeito para terminar o namoro:



- Vou embora! – Disse ela.

- Vá. Mas não demore.

- Acho que não entendeu, vou embora da sua vida! Não aguento mais!

- Relaxa.

- Relaxar? Como vou relaxar! Tu és louco!

- Aham.

- Não aguento mais, sua calma, seu jeito de ser, seu bafo de álcool pela manhã, e suas cuecas sujas no chão do banheiro! Cansei, tá? Cansei!

- Tudo bem, vá embora.

- É assim, fácil? Não vai implorar para que eu fique?

- Não.

- Ótimo! Vou embora, mesmo! Já que não faço falta, depois não vá chorar me ligando de madrugada!

- Nunca ti liguei de madrugada.

- Como, não? E aquele dia em que estava bêbado?

- Não conta, eu estava bêbado.

- Tu és repugnante!

- Relaxa.

- Não vou relaxar! Já te disse que vou embora! Não vou relaxar! Entendeu?

- Sim. Mas relaxa.

- Arg! Vou matá-lo!

- Entra na fila.

- Tu sempre foste assim com todas?

- Sempre. E ainda estou vivo.

- Onde está minha mala?

- Na sua casa, tu nunca trouxe mala nenhuma pra cá.

- É verdade, facilitou, vou embora mais rápido.

- Já faz dez minutos que tu estás indo embora, meu amor.

- Está debochando, é? Achas que não vou embora?

- Acho.

- Pois bem! Então vou embora!

- vá.

- Nem vai se despedir?

- Estou lendo meu livro.

- Então seu livro é mais importante do que eu?

- No momento, sim, você está indo embora.

- Como é que é? Isso é um absurdo!

- Relaxa.

- Mas que droga! Chega com esse “relaxa”! Eu não vou relaxar enquanto estiver aqui com você!

- Tudo bem, vá embora.

- Como é? Quer que eu vá embora? Pois agora que eu não vou! Irei contrariá-lo! Não vou mais embora!

- Como se isso fosse novidade. E tu ainda querias que parasse de ler meu livro.

- Largue esse livro e me beije!

- Pensa que manda.

- Me beije!

- Relaxa. Até pouco tempo você estava indo embora, agora quer que eu a beije.

- Tudo bem, vou relaxar, vou beijar outro.

- Com se não beijasse.

- O quê?! Você acha que eu lhe traí?

- Não. Tenho certeza.

- Eu nunca lhe traí!

- Como, não? E aquele homem da noite em que estava bêbada.

- Não conta, eu estava bêbada!

- Bom, então você me entende.

- O quê? Que tu não me ligou de madrugada porque estava bêbado?

- Não, que eu já te traí.

- Tu me traíste?!

- Sim.

- Ó, não acredito! Seu cachorro! Homem é tudo igual, mesmo!

- Não sei por que vocês escolhem tanto, se homem é tudo igual.

- Vou embora!

- De novo?

- Mas agora eu vou!

- Relaxa.

- Se tu me disseres mais uma vez pra relaxar eu juro que lhe dou um soco!

- Nossa, quanta violência, o que acontece com aquele beijo?

- Enfia na tua bunda.

- Relaxa.

- Tens razão, vou relaxar, mesmo, agora que estou indo embora.

- Demorou.

- Como é? Não ouvi!

- Limpa os ouvidos.

- Tu está me chamando de surda?

- Não, de porca.

- Porca? Bem eu que sou porca! E as suas cuecas cagadas no banheiro? Aquilo não é porquice?

- Pelo menos eu não deixo as minhas calcinhas na pia.

- Eu nunca deixei calcinha na pia do banheiro!

- Mas deixou na da cozinha.

- Muito menos na da cozinha!

- Relaxa.

- Eu vou embora! Agora chega!

- Tá.

- Tá? Só isso? Um simples “tá”?

- O que tu querias que eu fizesse?

- Que tu agisses como homem, e me impedisse de ir embora!

- Por que eu faria isso?

- Por que você me ama!

- Amava.

- Você não me ama? É isso? Acabou tudo entre nós?

- Exato.

- Não acredito que você terminou comigo! Como pôde? Eu não vivo sem você!

- Então não devias ir embora.

- Mas eu não vou, só queria que você demonstrasse algum carinho por mim!

- Ah, porque não falou antes, era só isso?

- sim.

- Então vá embora.

- O quê?

- Estou brincando, me beije.

- Sim, ó amor, eu te amo tanto.

- Eu também te amo, minha linda.

pS. KkKKk